terça-feira, 16 de agosto de 2016

Ceará Run: A experiência de ser um “pipoca”



Domingo passado era dia dos pais, com feriado emendado e tudo. Participar da Corrida das Estações não estava no meu programa. A ideia era viajar, ir a uma praia afastada e descansar. Mas os planos não deram certo e o jeito foi ficar em Fortaleza mesmo.
Como a decisão de cancelar o pequeno descanso foi tomada no sábado à tarde, não havia mais tempo de fazer a inscrição para a prova oficial do dia seguinte. Decidi então colocar em ação uma pauta que há tempos imaginava fazer: correr como um “pipoca” .
Na gíria da corrida de rua, pipoca é aquele corredor que não paga a taxa de inscrição, e aproveita de todos os benefícios oferecidos como segurança, água, e em alguns casos, ainda pega medalha e kit alimentação na chegada. Pipoca é o penetra na festa.
Malvisto por organizadores, são também bastante criticados pelos corredores que se inscrevem. O motivo é simples. Dependendo da quantidade de pipocas, os “oficiais” podem acabar ficando sem hidratação ou mesmo medalhas.

SENTINDO NA PELE
Logo na largada encontrei alguns colegas, mas não houve qualquer recriminação. Pelo contrário. Por perto podia ver vários outros na mesma situação. Uns com a camisa da prova, mas sem número ou sem chip. Outros com camisa de time de futebol. E muitos com camisa de assessoria.
Mesmo sem sofrer qualquer discriminação, passei batido no primeiro ponto de hidratação. Falou mais alto o peso na consciência. O sentimento era de que estava sendo observado a todo momento. No km 5 sai do pelotão para amarrar o tênis e temi que um fiscal da prova, ao observar minha saída, fosse me convidar a sair da corrida.
Mas não. Foi tudo normal. Havia água de sobra, à vontade. Se pegasse não ia faltar pra ninguém. Com aquele sol na cabeça, o melhor era me hidratar. E até a passagem no portal da chegada não fui incomodado nos 10 km de prova.
Só não entrei na fila para pegar medalha, lógico. Era demais. Demais para minha consciência. Aliás, por ela, não tem como fazer uma prova sossegado, concentrado em tempo e na melhor atuação. Nada contra com quem opta em ser pipoca. A mim, a experiência não foi nada agradável.

Curtas
- Olimpíadas do Rio de Janeiro terminam no próximo domingo. O destaque é a prova símbolo do espírito olímpico: a maratona. Os corredores vão passar pelas ruas do Rio e a torcida nacional vai para os brasileiros Marilson dos Santos e Solonei da Silva.
-  Setembro começa com a corrida Cross Urbano Caixa, no Castelão. No percurso, rampas, escadas, o subsolo do estádio e uma volta olímpica no gramado. Uma experiência única. Inscrições ainda abertas no site www.crossurbanocaixa.com.br.